A psiquiatria, da causalidade à verdade como causa

20170104_132605                               

 

 

 

 

 

 

 

 

” Recuperar a  psiquiatria, a partir do seu impasse causal, permite pensar o embate excludente entre a ciência e a subjetividade. da casualidade  à verdade como causa, o sujeito rejeitado pela ciência retorna na psicanálise, como o militante de uma psiquiatria na intimidade da cultura, permitindo que a ciência como discurso faça laço social e não se esqueça da clínica que lhe deu origem”.

A psiquiatria

da causalidade à verdade como caus

A Esquizofrenia revisitada, história e epistêmicamente, deixa calara sua vocação de ser tomada como paradigma do próprio pensamento psiquiátrico.

A variação desse conceito demonstra que a Esquizofrenia não é natural, mas um campo discursivo que pode revelar a pujança de uma psiquiatria penada como discurso. A psiquiatria é promovida á dignidade de novo paradigma da ciência.

Testemunha de uma causa sempre faltante, que se faz conhecer na clínica. Dividida entre a ciência que naturaliza o saber, à custas da ejeção do sujeito, e uma ciência que se define como discurso, a psiquiatria se mostra capaz de admitir o real como impossível. Real percebido como algo que não permite a redução da palavra á coisa passa a ser incorporado como lógica da construção de um novo saber que implica o sujeito com sua autoria.

Este saber, que é construído no limite da ignorância, tem estrutura de ficção capaz de fixar o real a partir da lógica significante. Esta primeira mentira torna como verdade a primeira percepção, nunca antes vista, através dos seus substitutos. O sujeito fica dividido entre o saber e a verdade, entre a lógica significante saber e a coisa que escapa ao significante que o faz falta-a-ser.

A nova psiquiatria, guardiã dos seus fundamentos históricos, epistêmicos e éticos, causa pela psicanálise, pode ser considerada uma ciência do discurso, capaz de, mesmo motivada pelos seus ideais neurocientíficos, construir o sujeito pelo viés do dispositivo analítico, que fará retornar, na psicanálise, o sujeito rejeitado pela ciência.

Sujeito responsável, sujeito cidadão que é capaz de se retificar com o seu inconsciente, vindo a ser lá onde isso era.

Sujeito causado pela verdade, verdade do desejo, em suplência á impossibilidade causal.

Fonte:

Trecho retirado do Livro –  A Psiquiatria: da causalidade à verdade como causa. Belo Horizonte: Edições do Campo Social, 2002.

                                                                                                      Autor: Dr. Hélio Lauar de Barros

11899836_930383663684932_7163447520993426913_n

 

Hélio Lauar possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Minas Gerais (1984), Residência Médica em Psiquiatria pelo Instituto Raul Soares (1986), Mestrado em Psicologia Universidade Federal de Minas Gerais (2001). É Professor Assistente de Psicopatologia do Instituto de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Preceptor Coordenador do Programa de Psiquiatria Forense da Residência de Psiquiatria do Instituto Raul Soares, FHEMIG e atua como Professor de Psiquiatria Convidado pelo Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina da UFMG. Foi presidente da Associação Mineira de Psiquiatria e Membro da Diretoria da Associação Brasileira de Psiquiatria. Atualmente é Diretor de Saúde Mental e Membro da Comissão Editorial do Jornal O Risco, da Associação Mineira de Psiquiatria e Coordenador da Sessão de Vídeos do Congresso Brasileiro de Psiquiatria, Membro da Comissão de Residência Médica em Psiquiatria e da Comissão de Certificação na área de Psicoterapia, da Associação Brasileira de Psiquiatria. Tem experiência nas áreas de psiquiatria geral, psicoterapia, psicanálise, psiquiatria forense.

 

 

 

 

 

 

'A psiquiatria, da causalidade à verdade como causa' 2 comentários

  1. 5 de janeiro de 2017 @ 00:16

    Semente quem já passou por um sofrimento mental pode descrever…o tratamento é um alivio.Tenho imensa gratidão aos profissionais.

  2. 13 de janeiro de 2017 @ 14:54

    O sentido terapêutico do ato operatório uma racionalização!
    “Psicanalítico“ bem coordenados ao que esta produzindo um paradoxo opcional de formalização contínua de convivência para os meios,mais os tempos, a serem aprimorar com convivência bem formalizadas ao estimulo vivencial evolutivo ……

Gostaria de deixar um comentário?

Seu email não será publicado